6 de junho de 2012

Evangelho do 'happy end', nem sempre [!]





Hoje gostaria de fazer um pequeno alerta a respeito do autêntico evangelho que deveria ser pregado nas igrejas da nossa modernidade: O 'Happy End' não é garantido nessa vida e sim na outra, na Eternidade. Lendo sobre Paulo vi que talvez ele fosse o apóstolo que mais tinha essa verdade clara pra sí e que mais falou e a praticou enquanto estava vivo. 

"E agora está me esperando o prêmio da vitória, que é dado para quem vive uma vida correta, o prêmio que o Senhor, o justo juíz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos os que esperam, com amor, a sua vinda." (2Tm4.8)

Essas palavras foram dirigidas por Paulo ao seu "querido filho na fé" (2Tm1.2) Timóteo, enquanto estava preso em um pequeno calabouço em Roma num de seus últimos dias de vida. Mesmo nessas condições humanamente desesperadoras, Paulo parecia estar com seu coração tranquilo e em paz, uma vez que declarou: "Combati o bom combate, cheguei até o fim e guardei a fé" (2Tm4.7). Ou seja, ele morreria em pouco tempo mas mesmo sabendo disso ele estava em paz por ter conseguido completar sua carreira que era a pregação do evangelho de Cristo em todos os lugares por onde passou, com êxito, e essa paz era tão absurdamente surreal que tudo mais o que viesse a lhe acontecer seria lucro, a morte pra ele era lucro.
Paulo era um cristão que tinha bem claro na sua mente que o evangelho real falava de dor, de morte, de perseguição e de renúncia. Não vemos em nenhuma de suas cartas Paulo falando a cerca da "teologia da prosperidade" que hoje ouvimos a pampa dentro das igrejas. Estamos falando de uma terrível contradição entre o evangelho de Jesus Cristo e o evangelho dos homens modernos. Que fique claro, Jesus não enganou ninguém! Paulo não foi enganado e nem iludido com falsas teologias pois ele conhecia a Cristo e desde o início sabia que, a partir do momento em que ele decidiu ser seguidor de Jesus, ele teria um preço alto a pagar. Mas  ao mesmo tempo ele também sabia que valeria a pena pagar esse preço visto que a recompensa final era maior do que qualquer outra coisa que o mundo pudesse lhe oferecer (bens materiais, dinheiro, mulheres, etc).

"Desde a sua conversão, Paulo deu tudo o que pôde pela causa do evangelho. Ele foi tão importante para o Reino de Deus como nenhum homem na história, porém enfrentou um triste fim."

Tenho aprendido com a vida de Paulo que o evangelho não é sobre ter, prosperar, alcançar e sorrir SEMPRE. Não! Isso é história de faz-de-conta Hollywoodiano! O evangelho é pesado, é difícil, é doloroso .. mas a sua recompensa, a vida eterna com o Pai, é algo que supera toda dor vivenciada nessa vida! E o meu desejo é viver por esse evangelho sem me deixar enganar pelo tal evangelho do 'happy end'. amém!

Monique Campos 

2 comentários:

  1. "O evangelho é pesado, é difícil, é doloroso..." tá aí algo que não posso concordar. Quer dizer, não podemos colocar isso como regra. Veja, Paulo entregou a vida inteira em favor da obra. Apesar de ter seu ganha-pão, a vida dele foi baseada em propagar o Evangelho. Quando dizemos que o Evangelho é pesado estamos "nos colocando" no lugar de pessoas que de fato abriram mão de suas vidas pra que a Palavra de Deus alcance mais pessoas. E não é isso que nós temos feito, pelo menos a maioria. Temos gastado nosso tempo em atividades terrenas, não que isso esteja errado, mas não é a mesma coisa que deixar tudo de lado pra apregoar a Palavra.

    E considero também que o Evangelho é duro não só apenas para quem se dedica integralmente, mas "para quem quer". Sei das dificuldades que nós como cristãos enfrentamos, como a luta diária contra a carne e a abstenção de certas coisas, mas entendo que quando fazemos algo por querer, ele já não se torna difícil. É como amar alguém. Quando você realmente gosta da pessoa você suporta as dificuldades, e vê vantagens nelas! Creio que seja isso...

    Btw, a ideia do texto é real! Não podemos esperar resultados aqui na Terra, vida próspera, portas abertas, chuva em abundância. Aliás, eu tenho percebido algo. Quando buscamos colocar a vontade de Deus acima da nossa, fazer os caminhos dEle os nossos, as coisas simplesmente acontecem ao nosso redor. Isso porque mesmo que fiquemos ricos ou pobres, prósperos ou dependentes de ajuda, ainda assim nosso coração estará solidificado na rocha. Tenho experimentado isso nos últimos meses, e tem sido ótimo!

    Por fim, me desculpe por ter feito um comentário [quase] maior que o post, sorry! :(

    ResponderExcluir
  2. Não é pesado, nem dificil. O fardo é leve e o julgo suave. (Palavras de Jesus).
    Doloroso, concordo.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário! Volte sempre!