12 de janeiro de 2015

Pecado, Confissão e Perdão [!]




Hoje falarei sobre o pecado, a confissão e o perdão. É preciso falar do pecado porque pecamos o tempo todo. Por mais que tentemos não o fazer, uma hora ou outra a gente vai e ...poof!... peca. Consciente ou inconscientemente a gente peca e isso é fato. É apenas o reflexo do Pecado (no singular) maior da humanidade, o de ter rompido com o Criador lá no Jardim. Quando quisemos ser independentes dEle, conhecemos o mal e as consequências disso estamos sentindo na pele até hoje...
Mas e aí? Estamos lascados eternamente por conta de uma escolha feita há tempos atrás? A resposta é NÃO!!!  Deus é tão incrível que, mesmo sendo traído, escolheu a reconciliação com os Seus e enviou então Aquele que seria o Caminho para a absolvição total de todos os pecados, de todas essas dores de parto que a humanidade sente e geme ... Seu nome: Jesus, O Cristo! Só há alívio nEle, Ele é o alívio.  E o que isso significa? Que aquele que reconhece a atitude salvadora do Cristo e que agora está em Cristo não mais cometerá pecados? A resposta é NÃO de novo! Somos pecadores e sempre pecaremos  ... a diferença é que em Cristo a gente adquire uma nova consciência de quem Ele é, de quem somos e, o mais importante, de quem PODEMOS ser. Ou seja, há uma esperança, nem tudo está perdido! Graças à graça de Deus!
Então fica a pergunta: quando pecamos, o que fazer pra receber o perdão? Qual o caminho para a reconciliação? Existe uma jornada ... 

1º Devemos reconhecer o pecado, reconhecer nossa natureza adâmica e nossa dependência dEle;
“Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e, segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões. Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado”. (Salmos 51: 1-2) 

2º Devemos confessar o pecado, dizer pra Ele quem somos com toda sinceridade, sem camuflar as manchas;
“Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao Senhor as minhas transgressões ;  e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado”. (Salmos 32.5)

3º Devemos receber o perdão. Entender que Ele está sempre de braços abertos pra nos receber de volta;
“Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo”. (Salmos 32.1-2)

4º Desfrutar a alegria. Nos lembrar que nEle não há condenação para nós, somos livres pra reescrever nossa história quantas vezes necessário for.
“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos que sois retos de coração”. (Salmos 32:11)

Entendendo essa jornada e praticando todos esses passos, fica mais fácil lidarmos conosco mesmos e com nossos pecados. Entender que Deus é bom, misericordioso e que Ele está mais preocupado em ouvir do que julgar, muda nossa maneira de nos relacionarmos com Ele e com o próximo e nos dá ânimo pra continuar no caminho ao invés de desistir e se entregar. Muitas vezes peco e me esmurro constantemente, me achando a mais indigna e a pior das pecadoras... e de fato, sou tudo isso mesmo. Mas Ele tem graça pra mim, Ele tem novos recomeços pra aqueles que se enojam dos seus próprios pecados e que não aceitam mais viver sob esse jugo maligno, aliás, esse é o sinal de que a GRAÇA de Deus nos alcançou... já não pecamos com gosto, a gente sofre. Mas é bom saber que diante de infinitos erros e frustrações na vida,  Ele nunca desistiu de mim e sei que nunca desistirá e é isso que me faz continuar. E se O tenho do meu lado, tenho TUDO.
Então termino agradecendo à Ele tudo o que tem me ensinado até aqui, Sua exortação em amor, Sua paciência, Sua graça e misericórdia que nunca tem fim! E vamos caminhando pois ainda há muito o que aprender...

No amor e gratidão, 

uma filha que depende muito do Seu Pai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário! Volte sempre!